Categorias

Arquivo

26 de julho de 2017

Com o fim de julho, a mente do consumidor sai do “modo férias” e se prepara para a volta à rotina. É verdade que, com o ano letivo brasileiro começando entre janeiro e fevereiro, a lista de compras de materiais escolares em julho — que costuma ser composta principalmente por itens de reposição — é menor. Mas isso não quer dizer que o consumidor dê menos atenção à compra de materiais no meio do ano. Pelo contrário: há quase tantas buscas no Google por “volta às aulas” em julho quanto em janeiro, o que torna as compras de materiais escolares uma das quatro principais oportunidades para o varejo no terceiro trimestre.

O número elevado de buscas é motivado também pela inflação da categoria, que tem antecipado cada vez mais a pesquisa de preços por materiais escolares no meio do ano. Em julho de 2016, os pais tiveram que enfrentar um reajuste de quase 200% nos itens mais procurados para o retorno às aulas. Depois desse susto, os brasileiros, que já estão mais precavidos devido à crise econômica, devem planejar ainda mais suas escolhas nas compras de volta às aulas neste ano. 

Apesar das escolhas mais criteriosas, a ABFIAE (Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares e de Escritório) estima um faturamento de 5% a 10% maior para o setor.

Pesquisando preços

A partir do histórico de buscas do Google, observa-se que a pesquisa de preços começa a crescer já no dia 15 junho, e se intensifica ao longo do mês de julho. Apesar do planejamento começar cedo na internet, é preciso lembrar que boa parte das compras não acontece lá. Quase metade dos consumidores que pesquisam preços online e compram no offline, em lojas físicas.


Essa tendência se confirma quando avaliamos o histórico de navegações do Waze, que aumentam em cerca de 7% para livrarias no final de julho. A Saraiva, por exemplo, apresenta um crescimento de 33% no volume de navegações da penúltima semana do mês para a última, como mostramos aqui.
O movimento do consumidor que retorna das férias com o olho nos preços dos materiais escolares é uma oportunidade de chamar a atenção para sua marca com mobility marketing. Ele já está atento a esse tipo de produto, já sabe o que quer, só precisa de um estímulo para desviar seu caminho até a livraria, papelaria, ou loja de eletrônicos mais próxima. E quais materiais os brasileiros mais têm buscado neste ano?


Mostre para o consumidor que pode ajudá-lo a economizar em sua busca de materiais escolares. E não pense que esse comportamento dos Wazers seja apenas uma oportunidade para quem vende cadernos e mochilas. Agora que já sabe para onde as pessoas estão se movimentando no final de julho, aproveite para chamar a atenção daquele se aventura na saga em busca de materiais escolares com bons preços. Conhecer os passos — ou melhor, os quilômetros rodados — dos seus clientes é o segredo de toda boa campanha de mobility marketing.

>> Precisa de um atalho?
  • A busca por materiais escolares para a volta às aulas em julho é uma das quatro principais oportunidades para o varejo no terceiro trimestre. 
  • Com a inflação nos materiais escolares, as pessoas têm começado cada vez mais cedo a pesquisa de preços dos materiais na internet. Mas 45% das pessoas que pesquisam preços online para comprar em lojas físicas. 
  • A Saraiva apresenta um crescimento de 33% no volume de navegações na última semana de julho. Esse movimento em busca de cadernos e livros pode ser aproveitado pelas marcas com mobility marketing.
facebook twitter email

Já falamos muito sobre a gente

Vamos falar de você

Será que acabamos se tornam melhores amigos ? Você vai ouvir de nós em breve.