Categorias

Arquivo

13 de setembro de 2016

A cada quatro anos, as marcas têm a oportunidade de celebrar o maior evento do esporte mundial, alcançando consumidores e atletas ávidos e interessados. Milhões de pessoas, em todo o mundo, assistem às Olimpíadas e, por isso, é a hora ideal para focar sua atenção em inovações de comunicação e comportamento do consumidor.

Em 2012, os Jogos de Londres foram as primeiras a abraçar as mídias sociais e vídeos. Qualquer pessoa podia interagir com os Jogos por meio das redes sociais ou do YouTube, enquanto a TV e os principais canais online transmitiam os eventos.


Quatro anos depois, no Rio, ficou fácil perceber que as tendências estão mais relacionadas à proliferação de smartphones e aplicativos como meios de consumo de conteúdo. Conforme apontado pela Search Engine Land, mais de 50% das pesquisas online globais são realizadas por meio de um dispositivo móvel — e a Folha de S. Paulo afirma ainda que a população de smartphones no Brasil (de 168 milhões atualmente) continua crescendo.


Como resultado desse uso imenso do celular, as pessoas do mundo todo acompanharam os Jogos por meio de serviços de streaming e aplicativos de redes de TV (SporTV Play, BBC Sports), mas principalmente usando aplicativos sociais como o Snapchat e o Instagram. As duas redes tornaram-se as novas transmissoras ao vivo das Olimpíadas, otimizando a experiência dos usuários por meio de interações com atletas e cenas dos bastidores.


O uso dos apps sociais não está limitado ao compartilhamento e consumo de conteúdo — muitos aplicativos de serviços agora incluem opções de redes sociais e compartilhamento. Aqui no Waze, um app social de GPS utilizado por mais de 65 milhões de pessoas no mundo inteiro, pudemos perceber e mensurar o impacto das três semanas de Jogos, não apenas no tráfego mas também nos negócios.


Invasão dos paulistas
Nossos dados mostram um tráfego intenso de turistas estrangeiros e brasileiros usando o Waze para se locomover no Rio de Janeiro. Durante o período do evento, houve um número impressionante de navegação (37%) derivado de outros estados e cidades — e, entre os que não eram do Rio, os paulistas foram os que percorreram a maioria dos locais.
Os EUA lideram as navegações internacionais com o Waze
O país que liderou o ranking de medalhas também pode ser colocado no topo do pódio da navegação mobile. Entre todos os visitantes internacionais, os motoristas norte-americanos tiveram o maior número de navegações no Rio durante agosto.
Apesar do Rio oferecer transporte público para os locais das Olimpíadas, muitos Wazers ainda precisaram dirigir. A rede do Editor de Mapas do Waze nos ajudou a sermos a plataforma mais atualizada de trânsito durante os Jogos. Até agosto, os editores adicionaram quase 45.000 locais e atualizaram ou adicionaram quase 3.000 segmentos de ruas. De 31 de julho a 21 de agosto, eles fizeram mais de 50.000 adições aos mapas, e os motoristas relataram mais de 250.000 congestionamentos de trânsito e mais de 7.000 acidentes.

Para os que decidiram dirigir com o Waze, o local mais popular foi o Centro Aquático Maria Lenk, que sediou as competições de polo aquático, nado sincronizado e saltos ornamentais.


Destinos mais navegados com o Waze


Vida noturna no Waze
O Waze também mostrou que o Rio estava fervendo até tarde da noite nas festas. O uso do nosso aplicativo disparou entre meia-noite e 5h da manhã, mostrando como a vida noturna carioca estava ativa em comparação ao período anterior aos Jogos.



Comparação do uso do Waze antes e depois do jogos mostra que o maior aumento de navegações aconteceu a 01:00


Hotéis e comércio local fizeram a festa
O Rio recebeu mais de 1 milhão de visitantes, de acordo com O Globo, e os dados do Waze apresentam um ápice nas navegações para hotéis, shoppings e comércios locais após o início dos Jogos. É interessante observar que os percursos para hotéis aumentaram 40% quando comparados aos do feriado anterior, Corpus Christi, em maio. As visitas ao comércio local superaram as relatadas durante a temporada do Dia dos Namorados em junho.


As marcas participaram dos Jogos
As marcas também ajudaram visitantes e cariocas a navegar durante as agitadas três semanas dos Jogos.

Bradesco Seguros, uma companhia de seguros brasileira, aproveitou o contexto e localização de cada usuário para oferecer informações relevantes sobre esportes para os espectadores e participantes das Olimpíadas. A AdvertisingAge destacou a parceria com o Waze como uma das campanhas mais criativas da cidade. Quando um usuário do Waze estava passando por uma das arenas, era apresentado um anúncio correspondente ao esporte que estava sendo praticado naquele local.



As Olimpíadas também ofereceram uma ótima oportunidade para aumentar o reconhecimento de marca no país-sede — e foi isso que a Visa, outro patrocinador mundial, fez com o Zero-Speed Takeover, os anúncios que aparecem para o motorista quando ele está parado.



Se os Jogos têm o poder de acumular dados de comportamento dos consumidores em uma escala que permite identificar e confirmar tendências em comunicação e marketing, as marcas devem começar a se preparar para o futuro: imagine as inovações que nos aguardam para Tóquio 2020! A única forma de saber o rumo que as coisas estão tomando é entender por onde elas passaram. Comece usando uma plataforma como o Waze, que permite o aproveitamento de dados valiosos de clientes e garante insights que podem ser aplicados a planos de marketing futuros.


facebook twitter email

Já falamos muito sobre a gente

Vamos falar de você

Será que acabamos se tornam melhores amigos ? Você vai ouvir de nós em breve.